As minhas corridas na estrada

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Ultra Trilhos dos Reis (47km) - Tudo no sítio certo!

Fiz o meu primeiro trail em 2012, dois anos antes da primeira edição dos Trilhos dos Reis, na altura Trail do Centro Vicentino da Serra. Das 4 edições anteriores guardo duas coisas: a inveja pelas inconfundíveis camisolas de manga comprida que via desfilar por aí e uma torrente de elogios que aumentava de ano para ano. Por acaso e, bom, pelos Abutres que se realizam duas semanas depois, foi apenas na quinta edição que rumei a Portalegre em Janeiro. Hoje posso dizer que demorei 5 anos a mais do que devia. Os Trilhos dos Reis entraram definitivamente no meu top de melhores provas do país.

Como toda a gente sabe, Portugal não é propriamente um país com muita montanha, particularmente do Tejo para baixo. Com a explosão de provas de trilhos distinguem-se facilmente alguns tipos de organizações. Há uns que têm a sorte de ter uma montanha e aproveitam os recursos naturais sem terem que se esforçar muito, depois há aqueles que não tendo relevo nenhum de especial trabalham por maximizar a mão que lhes foi dada, há ainda um terceiro caso, aqueles que elevam as suas provas à excelência. Esses, além de terem uma boa base de partida, não ficam contentes e arregaçam as mangas. 

A Associação de Desporto e Aventura de Portalegre (DAP) podia simplesmente ter utilizado o recurso que tem, a Serra de São Mamede. Ligavam uns quantos PRs com estradões, percorriam um ou outro trilho do BTT e faziam disso uma prova. Uma como tantas outras. Mas não, eles decidiram que a sua prova não seria igual às outras. Eles souberam ouvir, evoluíram, aproveitaram os bons exemplos, aceitaram criticas e, principalmente, tiveram a humildade de perceber que os 1000m da Serra, só por si, não eram suficientes para tornar os Reis numa prova de excelência. E, com uma região inteira por trás, criaram uma das melhores provas a que já fui: Os Ultra Trilhos dos Reis.

Atletas do GPD presentes nas 3 provas do evento
Dentro do mercado, no briefing

Percebe-se assim que se entra em Portalegre que a cidade se orgulha da prova. Confirmou-se durante o briefing incial onde, no mercado municipal a rebentar pelas costuras, todo o executivo camarário, além do José Presado do DAP, discursou  para os mais de 500 atletas que iam partir na prova grande (47km). Um conjunto de percussão, que nos iria acompanhar em vários pontos da prova, tratou de acelerar ainda mais as frequências cardíacas momentos antes de se dar inicio à partida simbólica, que nos levaria para o pórtico no exterior do mercado. Antes disso ainda teve lugar uma merecida e, pelo menos para mim, muito emocional homenagem à Antonieta. A minha antiga colega de equipa, conterrânea e acima de tudo amiga Antonieta, que, como todos sabem, tragicamente nos deixou uns dias antes. Em circunstancias normais ela estaria ali naquele dia, se não para correr pelo menos para acompanhar o Gaio. A sua paixão, como ele sempre a chamou. Foi muito emocionante sentir o peso do silencio das muitas centenas de pessoas que estavam ali e a posterior salva de palmas abafada pelas luvas. Lembrei-me muitas vezes dela durante a prova e acredito que o mesmo tenha acontecido a todos os que a conheceram. Que descanses em paz, amiga. 


Lá fora o dia estava frio, mas não tão frio como o esperado. Na verdade a temperatura nunca subiu muito, andei praticamente o caminho todo com as luvas e não despi nenhuma camada, mas o céu estava limpo e o vento calmo. Estava perfeito. Despachado o controlo zero, os quase 500 atletas partiram para os 47km dos Ultra Trilhos dos Reis. 

Fotografia da Bernardete Morita
Não demorou muito até sairmos do alcatrão e entrarmos nos trilhos, local onde decorrem praticamente todos os 47km da prova. Os primeiros 10, 15km pareciam confirmar a ideia que eu tinha do percurso. Uma prova rápida e corrivel, onde não haviam propriamente subidas mas onde estávamos constantemente a subir e descer. Não sei se me percebem. Trilho atrás de trilho, nesta altura ainda sem grande dificuldade técnica, ora em caminhos antigos ora em trilhos abertos de fresco. Só muito raramente percorremos ligações em estradão. Tão raramente que praticamente não me lembro de nenhum! Frequente era também a sensação que a organização estava em todo o lado. Com gritos de incentivo, a Lili vestida de bruxa, outros vestidos de monges, bobos da corte e sei lá mais o quê. Por todo o lado sentia-se que a prova era pensada metro a metro, a fasquia estava bem elevada naqueles primeiros quilómetros, mas a verdade é que até ao fim da prova as surpresas sucederam-se, como que a distrair-nos do massacre que aquele parte pernas estava a ser para o corpo.

Hajam pernas para partir
Abastecimento intermédio, onde estava a bruxa. Reparem no pormenor das etiquetas
Os trilhos da primeira parte. Pelo fotografo oficial do Quarenta e Dois: MIGUEL CADALSO. Desta vez não andei ao pé dele não apareço em nenhuma. 
A primeira subida de registo aconteceu aos 13km, no primeiro ataque ao pico. Foram cerca de 300+ num corta fogo bem inclinado, intitulada "Subida dos Infernos". Já perto do topo deixamos os estradões xistosos e avistamos as primeiras paisagens graníticas. Depois de conquistadas as antenas, que já conhecia do UTSM, viramos para um trilho espectacular (acho que era chamado Trilho da Serpente) que, adivinhem, serpenteava por entre os pinheiros num piso macio coberto de caruma. Este embalava-nos rapidamente para o terceiro abastecimento, reconhecível pelo ribombar dos tambores a quilómetros de distancia. 

Na Subida aos Infernos (Miguel Cadalso - MC)

Perto do topo, lá em cima estavam uns monges (MC)
Claro que o Cadalso tinha uma foto do Trilho da Serpente (MC)
Há algum tempo que decidi não voltar a falar de abastecimentos por aqui. Quebrei a regra na UTAX, por razões negativas, e agora vou quebrar uma segunda vez, precisamente pela razão contrária. Os abastecimentos do UTDR, particularmente este terceiro, foram dos mais completos que já vi na vida. Muita gente a dar apoio, muitas mesas para dispersar as pessoas e uma quantidade incrível de escolha. Não houve nenhum abastecimento que não tenha emborcado 4 ou 5 fatias de presunto, e a prova que eram suficientes e bem posicionados é que, ao contrário de praticamente todas as provas que faço, só consumi 1 gel de toda a comida que levava. 

Chegada ao abastecimento, com a recepção dos tambores (MC)
Saídos do abastecimento iniciámos novo ataque aos 900 metros, desta vez por trilho. Nesta altura comecei a notar que estes estavam a ficar cada vez mais difíceis e técnicos. As descidas já não eram feitas a abrir mas antes com constante atenção às muitas pedras que cravejavam o caminho. Foi por aqui que entrámos numa das zonas mais técnicas, e mais bonitas, do percurso. Se bem me lembro, era chamado o trilho do Castelo dos Reis. Um caminho muito técnico, numa encosta de uma garganta granítica muito apertada, que culminou numa escalada daquelas que requerem muita abertura de pernas, pelos grandes maciços de granito. 

Logo a seguir às Antenas (MC)

MC

Inicio do trilho do Castelo dos Reis (MC)

Esta não era muito corrível (MC)
Fomos avisados no briefing que 2000 dos 2500m de desnível positivo seriam vencidos até aos 30km, mas estávamos com cerca de 29 e ainda faltavam mais de 300m. Sabia, pelo perfil, que nos estava reservada a subida que mais saltava à vista antes dos 30, mas como faltava tão pouco pensei que não chegaríamos aos 2000. A opinião foi-se consolidando à medida que subíamos suavemente por um trilho simpático, até que saímos da linha das árvores, curva de 90º à direita e.. PUUM, à nossa frente estende-se uma encosta totalmente despida inclinadíssima, cortada por uma linha que se estendia por 1km de pessoas completamente dobradas, agarradas aos joelhos! Ataquei-a como faço sempre que não levo bastões, com as mãos atrás das costas de maneira a não dobrar muito as costas. Fui subindo e evitando olhar para a frente, só para os pés. A encosta empinava cada vez mais quando tentei subir aos ésses e a pisar as pedras maiores, de forma a não esticar demasiado a parte de trás das pernas (aquela treta do Aquiles que trouxe da UTAX ainda dá sinal de vez em quando). Apesar de não ser uma grande subida foi verdadeiramente desesperante. Gosto de subidas em trilho, desafiantes e técnicas, aquilo era o oposto. Uma parede autentica feita com o nariz a tocar no chão. Não havia opções a tomar nem estilos diferentes de subir, era ir em frente, tentar não rebolar por ali abaixo e mamar a pastilha! 

MC
As fotos nunca fazem justiça às subidas! (MC)
Lá em cima, nos 30km e já com os tais 2000+, estava um abastecimento intermédio com uma banca da Delta. Bebi um café quentinho e um bocado de Boleima (acho que era assim, o nome), um bolo muito bom que nem conhecia, e, com a promessa de sopa do próximo abastecimento, fiz-me aos 9km que me separavam desse. Pensava que o pior já tinha passado. Ia com um pouco menos que 4h30, faltavam 17km e apenas 500+, pensei que seria um passeio até ao fim. Mas a minha prova deu uma volta de 180º.

Logo a seguir ao abastecimento, troquei as pernas de subida pelas de descida e estas ainda responderam bem. Mas o percurso estava a mudar. Trilho técnico atrás de trilho técnico, o parte pernas era cada vez mais notório. Até que passamos por uma placa a dizer "Bem Vindo ao Carrossel dos Príncipes". Um emaranhado de trilhos com muita pedra, cruzamentos de linhas de água, cordas e constantes subidas e descidas curtas. Comecei a ir muito abaixo e já me arrastava por ali. As pernas começaram a tremer e ansiava pelo abastecimento para poder comer a prometida sopa, sentia-me muito fraco e já com bastante fome. Meti o único gel da prova e ainda comi umas gomas da GU que comprei na feira, mas continuei a sentir as pernas a tremer, ofegante e com a cabeça à roda. Era um suplicio cada vez que tinha que me agarrar a uma corda para subir e fui ultrapassado por muita gente.

Carrossel dos Principes (MC)

MC

Venham cá dizer que os Reis são todos corriveis (MC)
Assim que entro no abastecimento agarro-me à primeira tijela de sopa que vejo e sento-me abraçado ao prato quente. Não tirei os olhos da colher até ver o fundo do prato. A maravilhosa e espessa sopa de legumes com massa, muito quente, foi como um salva vidas. Respirei fundo de alivio e satisfação quando senti o corpo muito mais confortável. 

Sorry, Francisco. Não tinha outra foto da Sopa :) (MC)
Até lá abaixo o caminho foi sem história, uma série de trilhos a descer, intercalados com pequenas subidas (como sempre) embalaram-nos até aos 200 metros de alcatrão antes de voltar a entrar no mercado municipal, local onde estava instalada a meta. Até ao fim ainda tive o incentivo de uma luta intensa contra o relógio, assim que decidi apanhar o comboio das 7. Cruzei a meta com 6h58, foi mesmo à conta!

Os ultimos trilhos, a descer para Portalegre (MC)

A minha chegada apoteótica. Mais ou menos, vá.

Eu com o meu director de imagem, Miguel Cadalso!
Quem me conhece e segue o que aqui vou escrevendo sabe que este não é propriamente o meu tipo de percurso favorito. Dou-me muito mal em percursos tipo parte-pernas, mas isso não me impede de reconhecer o trabalho de excelência que o DAP desenvolveu nestes Trilhos dos Reis. Dá a impressão que, sendo eles próprios atletas, pegaram em todos os bons exemplos que foram apanhando noutras provas e aplicaram-nos na deles. O percurso é 90 e muitos por cento em trilho, muitos deles abertos de propósito, num esforço muito grande para ligar caminhos existentes fugindo a estradões. É muito variado, com secções fáceis e rápidas intercaladas com outras muito técnicas. É divertido e desafiante, os 2600D+ em subidas curtas contam a história. As marcações são perfeitamente irrepreensíveis, os abastecimento fora de série e toda a logística em torno da prova é impressionante. 

Senti-me em casa em Portalegre e só tenho pena de uma coisa: ter chegado com 5 anos de atraso!

Portalegre ao fundo. MC, claro. Até para o ano!



sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Aquele post.

Sim, vão ter que apanhar com ele. Não era no 4º ano de blog que ia deixar o 4º post resumo por fazer.

Se bem se lembram, 2016 foi o ano esquizofrénico. O quê, não se lembram desse post? Como pode! Enfim, mais atenção, por favor. 

Como estava a dizer, se '16 foi o ano esquizofrénico, '17 foi o ano da estabilidade. Estabilizei a minha vida profissional e familiar e com isso estabilizaram os treinos. Foi o ano em que consegui melhor cumprir o que, na altura, me parecia o plano de treino ideal. Adoptei definitivamente os treinos de madrugada e sem chatices de lesões consegui quase sem falhas cumprir os 3000D+ mínimos semanais, isto nas alturas de carga. 

Os números finais mostram praticamente os mesmos quilómetros do ano passado (3600) mas mais desnível positivo ganho (140 mil em 2017, vs 120 mil em 16). Passei a fazer religiosamente duas sessões de ginásio por semana, coisa que aprendi a gostar e neste momento não consigo passar sem. Com isto andei praticamente todo o ano a sentir-me muitíssimo bem fisicamente. Mas se no dia a dia e nos treinos me sentia bem, esta estabilidade e aumento qualitativo do treino na verdade não se traduziu em melhores performances nas provas. Principalmente naquelas que realmente gosto: as grandes.

A primeira do ano foi a terceira na Madeira. Voltei para o Hat Trick no MIUT, aquela que considero a prova perfeita. No entanto, perfeito é um adjectivo que definitivamente não descreve a minha prestação. Ao contrário de 2016 não senti que fiz uma prova sólida, acabando quase uma hora depois do tempo desse ano. Tal como no UTMB, voltei a sentir dificuldades musculares nas descidas e logo na semana seguinte comecei no ginásio.


Julho foi o mês da grande prova do ano, o Andorra MITIC. E que prova! Tudo naquela corrida bate certo. Alta montanha, selvagem, técnica e muito, muito dificil. Adorei cada metro e ao contrário do MIUT acho que fiz uma prova bastante sólida, a melhor do ano e provavelmente das melhores da minha vida. Uma experiência inesquecível e indescritível. Uma prova obrigatória.


Depois veio Agosto que, como sempre, foi dos meses mais produtivos do ano. Mais quilómetros, mais desnível, mais confiança. Foi assim, num estado quase de levitação, que cheguei à Lousã para enfrentar os terceiros três dígitos do ano. Infelizmente acabou por não ser a prova que tinha idealizado. Apesar de sólida, esperava sentir-me melhor e andar mais. 


Ainda antes da prova da Lousã, embalado pela tal confiança exacerbada, decidi inscrever-me em mais uma empreitada de 3 dígitos até ao fim do ano, o Azores EPIC Trail Run. Percebi imediatamente a seguir à UTAX que me tinha precipitado, que o corpo pedia descanso. Acabei por ir aos Açores fazer a prova possível, depois de passar as escassas 5 semanas entre provas a lamber feridas. Uma prova muito complicada devido ao clima e terreno, acabou por ser muito mais dificil do que julgava. Arrependido por começar ou não, foi uma experiência fantástica correr nos Açores e um fim de semana que não trocava por nada. 


Cumprido o EPIC, guardei o mês de Dezembro para fazer reset. Acabou por ser um mês muito dificil. Como quase sempre depois de uma prova grande o sistema imunitário fica debilitado, por isso andei algum tempo a batalhar febres e dores no corpo, além das mazelas físicas que se foram acumulando. Acabou por ser o pior mês dos últimos anos. Mas agora acabou e 2018 está já aí!

Para o ano novo, estas são AS provas:

MIUT (115km, 7200D+, Abril) - Vai ser a minha quarta participação e...bem, já não há muito mais a dizer sobre ela. A novidade deste ano é que vou assumir a tentativa de chegar antes da meia noite (o record está em 24h07 de 2016). 

X-ALPINE (111km, 8400D+, Julho) - Demorei muito tempo até chegar a esta decisão. Estava muito inclinado para uma nova inscrição no UTMB, mas decidi adiar por mais um ano o regresso às 100 milhas. No entanto, o que não queria por em causa era o regresso aos Alpes. Se eu tivesse que idealizar um perfil perfeito acho que chegaria a algo como o da X-Alpine. Vejam:


Basicamente a prova tem 5 subidas, respectivamente com 1900, 1400, 1500, 900 e 1200 metros de desnível positivo. Já disse por aqui que o que gosto é subidas e descidas longas. Além disso vamos andar em alta montanha (todos os picos são acima dos 2200m, com o mais alto perto dos 2900), em terreno muito técnico verdadeiramente alpino.  Com uma taxa média de desistências superior a 50%, é uma prova que na 10ª edição é conhecida por ser uma das mais difíceis naquelas montanhas. Uma espécie de Mitic dos Alpes. 

Para a ultima prova grande do ano ainda estou em dúvida entre duas. O desejo é ir ao Ultra Trail Atlas-Toubkal (UTAT), em Marrocos. Mas provavelmente a viagem em família aos Alpes vai dar-nos cabo do orçamento, por isso em principio apostarei na caseira Estrela-Açor, versão 100km, que acontece em Outubro.

Como sempre, além destas, participarei em várias provas de distancias menores, a começar já daqui a duas semanas nos Trilhos dos Reis e acabando, obviamente, em Casainhos e nas Lavadeiras :).

Esquizofrénico, estável ou nenhum dos dois. Espero apenas que 2018 seja mais um ano com muita montanha, muita aventura e muitas horas a fazer aquilo que mais gosto com quem mais gosto. Mal posso esperar!



terça-feira, 5 de dezembro de 2017

EPIC 100 - A descida ao inferno verde

Inscrevi-me com aquela sobranceria habitual de quem está em forma. "100km com 4500+? Nos Açores? Tranquilo, aquilo até só vai aos 900 metros. Vamos lá dar esse passeio!". Faltavam um ou dois meses para o UTAX, nunca mais pensei nisso até mais ou menos a meio da prova da Lousã, quando comecei a perceber que provavelmente teria tido mais olhos que pernas. Já depois do UTAX, nas 6 semanas que intercederam as duas provas, finalmente mergulhei de cabeça nos Açores. Percorri o traçado no googlemaps, analisei o perfil e, acima de tudo, comecei a falar com pessoal de lá. 

Oh diacho. Parece que afinal não vai ser bem um walk in the park. Como é que é? Descidas muito técnicas? Parte pernas? Terreno difícil? Desculpa, podes repetir? Vai ser...EPICo??


Chegámos a São Miguel no próprio dia da prova. Eu, os Ribeiros, o meu tio Pedro e primos Cláudia, João e Miguel. Vinte graus e um céu quase limpo disfarçavam a tormenta que abalara a ilha na noite anterior. A dona do airbnb onde ficámos disse-nos, assustada, que tinha sido verdadeiramente impressionante. Uma trovoada como tinha visto poucas. Chovera ininterruptamente nos dias anteriores, até poucas horas de termos chegado. No ar pairava há algum tempo a ameaça de cortes, alterações de percurso e até mesmo a bomba atómica: o cancelamento. Pensámos que seria um exagero, afinal de contas a prova sendo organizada por Açoreanos, não podiam estar à espera que estivesse tempo bom em pleno Dezembro! ...Bom, a menos que fosse mesmo fora do normal. Seria?

Fomos ao briefing.

Um auditório cheio, com algumas centenas de pessoas, aguardavam ansiosos que o simpático e visivelmente nervoso representante da organização começasse a falar. As primeiras palavras que lhe saem da boca são qualquer coisa como: "Como sabem, tem estado muito mau tempo! Mas por agora não haverá nenhum corte. A menos que piore. Bem, se piorar até há a hipótese de se cancelar! Mas depois avisamos!". Deu-se então inicio ao briefing mais surreal a que já assisti. Pelos vistos o homem tinha uma pequena check list com avisos que ia consultando à medida que falava. A saber:
  • Cuidado com o nevoeiro, lá em cima é muito cerrado.
  • As vacas. Vão ver muitas vacas, desviem-se! Algumas comem fitas, também. Ah, se virem alguma a comer uma fita tirem uma foto, é engraçado!
  • Sabem aqueles cães de fila de São Miguel? Pois, adivinhem, vão passar por muitos! Mas estão todos presos. Acho eu. O ano passado havia um solto. Se encontrarem algum solto......bem, não sei o que hão-de fazer.
  • Vão passar por muitos terrenos de pasto. A separar os pastos há cabos eletrificados para as vacas não passarem. Sim, estão em carga, mas tentem não tocar lá e é na boa!
  • Ah, o touro! Vão passar por um touro! Mas o meu amigo disse-me que não faz mal a ninguém. Acha ele...
No fim disto tudo, já com toda a gente a rir descontroladamente, ainda solta um "ah pensavam que vinham passear!". A sério, foi bom de mais. Saí de lá a doerem-me os maxilares de tanto rir.

A preparar a mala no melhor airbnb de sempre
Passava pouco das 22:30 quando partimos em direcção à Lagoa das Sete Cidades. Eu, a Sara e os Ribeiros. As primeiras chuvas que ouvimos caíram um pouco antes, enquanto descansávamos em casa, mas agora parecia de novo calmo. Assim que chegamos ao ponto de concentração começa, do nada, a chover torrencialmente. Pego nos nossos sacos da Base de Vida, meu e do Sr. Ribeiro, e atiro-os para dentro de uma carrinha para depois, apressadamente, fugir para dentro de uma esplanada coberta dum bar junto à Lagoa, onde estavam os outros cento e poucos aventureiros. Lá dentro um ambiente tenso, mas muito engraçado. Entre atletas e acompanhantes não devíamos ultrapassar os 150, por isso era muito familiar. O mesmo senhor do briefing surreal pediu a atenção de todos e avisou-nos para uma alteração do percurso por causa de uma derrocada que tinha acontecido entretanto. Resultado: seriam mais 3500m. Nova risada! 


Poucos minutos antes da meia noite os 114 encaminharam-se lentamente para o pórtico, depois de uma vistoria de material obrigatório. Por mais provas que faça, aqueles minutos antes da partida de uma grande são sempre emocionantes. E gosto de partidas assim, mais pequenas. 

Meia noite em ponto, lá fomos nós.

Aí estão eles de volta! Primeiros 20km
Começámos com 3km pelas Sete Cidades. Passámos entre as duas Lagoas numa altura que o luar nos permitia ver o espelho de água e as paredes da cratera que nos circundava. Era uma dessas paredes, a mais alta, que iríamos trepar, num trilho chamado Baltasar. Que espetáculo de subida! Cerca de 500+ de um trilho roubado à selva, completamente embrenhado na vegetação que nos cobria totalmente. Muito vertical, muito enlameado e desafiante. Mesmo como gosto. 

Cheguei ao primeiro abastecimento com a moral em alta. A temperatura estava óptima, apesar de lá em cima estar o esperado vento muito forte e nevoeiro. No abastecimento estava o grande Armando Teixeira a dar assistência a um amigo, o Hugo Sá. Quando me viu tratou-me pelo nome. Acho que não dei nenhum gritinho histérico, mas não ponho a mão no fogo!

Lá em cima andámos muito em estradão, numa cumeeira da cratera. Por entre o nevoeiro fui vendo uma ou outra lagoa, mas não dava para muito mais. A descida para o segundo abastecimento, aos 20km, começou de maneira espetacular, na encosta de um vulcão. O caminho era coberto por uma espécie de areão, de origem vulcânica. Muito macio mas sem prender como a areia da praia, só ouvíamos o TXUFF TXUFF TXUFF dos passos enquanto voávamos pela encosta. Muito bom!

Dos 20 aos 40km. A Prova do Pasto!
O segundo abastecimento, do Reservatório, ficava na base da descida e imediatamente antes daquele montículo do gráfico, a Serra Gorda. Uma pequena elevação de 200 metros no meio do nada. Aqui, a meio da subida, perdi-me pela primeira vez. Reparei desde o inicio que as marcações não estavam grande coisa. Muito espaçadas e com várias canas e paus espetados sem fitas, deduzi que tinham voado muitas. Por isso, para me proteger, decidi tentar ir sempre com um grupo grande e esperar que em caso de engano alguém reparasse. Neste caso fomos mais de 10 ao engano. Problema resolvido, lá virámos a pequena elevação e continuámos para cerca de 20km de..pasto!

Google "pasto retalhos são miguel"
O pasto. Como podem ver pela foto, parece o green de um campo de golf, mas não podiam estar mais errados. Na verdade, trata-se de um terreno pisado até a exaustão pelas vaquinhas dos Açores tornando-o intransitável. Completamente encharcado pela chuva, não demos um passo sem ouvir  SCHLOK SCHLOCK e a sapatilha a ficar presa na lama. Foram QUILÓMETROS disto! Depois há os famosos retalhos, todos eles separados por muros, cercas e cabos eletrificados. Saltámos por cima ou passámos por baixo de centenas! Ah, e posso comprovar que realmente estão eletrificados, apanhei um choque num! 

Esta foi de longe a parte mais desinteressante da prova. Depois de ultrapassada a cratera das Sete Cidades começámos a andar em direcção à próxima Serra, a de Água de Pau. O problema é que entre elas não havia nada de relevo, literalmente. Foram km e km de terrenos de pasto, estradões, alcatrão e tentativas esforçadas de trilhos paralelos a estradas. 

Janela para Água de Pau. Até aos 60km
A subida voltou logo a seguir ao quarto abastecimento, numa zona industrial. Os cerca de 500m de desnível tornavam-na a terceira maior da prova, mas na verdade foi uma subida muito fácil, toda ela em estradão. Foi por aqui, já a chegar ao topo, que nasceu o dia. Ao contrário de todas as previsões, tinha sido uma noite muito pacifica! Não tinha apanhado um pingo de chuva e a temperatura estava agradável, apesar dos aparentes 100% de humidade. Os pés é que já nesta altura se iam a queixar. O terreno enlameado é terrível para os pés, que estão constantemente a responder a solicitações de todo o género. Além disso, o facto de ter que fazer força para tirar o pé da lama em todas as passadas estava a deixar-me a parte de cima do pé muito dorida. 

Foi na descida que entrámos finalmente noutra dimensão de São Miguel. Cada vez mais embrenhados na floresta, percorremos trilhos e levadas no meio de um verde intenso que contrastava com a terra preta. Tudo, mas mesmo TUDO era verde! Onde não haviam plantas havia musgo. A única cor diferente era o preto ou castanho do trilho fininho pisado. 

Aqueduto da Janela do Inferno. Passámos por cima, contornámos e passámos por baixo.
Continuámos a descida até muito perto da cota de Água de Pau. O percurso original não nos mandava tão abaixo, mas a tal derrocada que falaram no briefing antes da partida foi aqui, o que nos levou quase até lá abaixo apenas para voltar a subir tudo e finalmente descer até ao abastecimento. Foi outra parte chata, mas compreendo que por razões de segurança não pudéssemos seguir na floresta. Assim lá fizemos uma estrada de betão que contornava numa subida muito vagarosa a montanha, até finalmente a virarmos e vermos Água de Pau lá em baixo. A descida foi toda feita na mesma estrada, muito inclinada. Os pés, que partilhavam o interior da sapatilha com alguns quilos de lama, estavam a ficar destruídos pelo terreno muito dificil, já só queria chegar à base de vida, descalçar-me, limpar os pés e trocar de meias.

A chegar a Água de Pau
Cheguei lá abaixo um pouco antes das 10 da manhã. À minha espera estava a Sara e a Sra. Ribeiro, que esperava o Sommer, um pouco atrás de mim. A base de vida tinha condições muito boas, além de muita comida quente e balneários. Sentei-me enquanto um simpático voluntário procurava o meu saco para a muda. Até que percebi pelo semblante dele que algo estava mal.

Começou por procurar o meu saco na zona correspondente ao meu dorsal, mas agora já procura atrapalhadamente em todo o lado. Observei-o sem dizer nada. Percebi imediatamente que não estava lá, não eram assim tantos e o meu via-se bem. 

Caiu-me tudo. Ainda sem falar, comecei a fazer contas de cabeça. Como me ia safar? Tinha uma barra, pouca bateria no relógio, pouca bateria no frontal (apesar de ter o de reserva), com a roupa encharcada. Bom, não estava assim tão mal. Ia comer bem na base de vida, aproveitar a barra para comer na subida que previa fazer em 2 horas e depois levar comida de todos os abastecimentos. Queria trocar de roupa, principalmente de meias, mas azar. Não ia ser por aí. Levantei-me em silencio e fui lavar a cara com água fria. Quando voltei não sei quem estava com ar mais aflito, se o senhor da organização se a Sara! ahaha Sosseguei-os, havíamos de pensar em algo. Sentei-me a comer um pratalhão de canja enquanto planeava a estratégia com a Sara.

Lembram-se logo no início do texto ter dito que tinha enfiado os sacos para dentro de uma carrinha enquanto chovia? Pois bem, algures perto dessa carrinha estava outro sitio para meter sacos. Os da carrinha iam para a meta. Não estava lá ninguém a orientar, é certo, mas a culpa foi inteiramente minha que não reparei no outro amontoado de sacos e não perguntei. Como fomos de carro, ao contrário da maior parte da malta que foi de autocarro, já não ouvimos essa orientação. 

Isto trazia outro problema muito grave, o saco do Sommer teve o mesmo destino! Foi então que a Sara e a Sra Ribeiro começaram a sua própria ultra. Antes que ele chegasse ao abastecimento arrancaram para as Furnas, local da meta, para irem buscar os dois sacos. Depois voltariam a Água de Pau e esperavam que ele ainda lá estivesse para de seguida subirem ao Pico da Barrosa (topo da subida) para me entregar o meu. Ufff!

A subida. Aquela parte plana lá em baixo foi um erro do GPS.
Apesar de todos os percalços ia enfrentar a parte que mais desejava de toda a prova: a subida com 900D+. Já disse por aqui que é o tipo de subida que gosto. Como já esperava, comecei muito a custo. Ainda de barriga cheia e com pernas de descida, os primeiros 200 ou 300m de subida foram muito custosos, mas lentamente fui entrando na parede. Uma coisa estava a mudar à medida que subia: o tempo. Cada vez mais fechado e frio, mais ventoso. Passada a cota de 700m o vento era impressionante, fortíssimo! Subíamos por uma crista completamente exposta. Só via 5 metros de trilho para a frente e uma largura de 2 metros para cada lado, depois era um manto branco a toda a volta. O vento era ensurdecedor, a chuva horizontal picava como agulhas na cara. Assustador!

A crista era esta. Parece que sim. Só via branco à volta!
Segui de dentes cerrados e cabeça baixa até que a Sara apareceu entre o nevoeiro a dizer adeus. Já lá estavam em cima! Já tinham falado com os voluntários presentes a explicar a situação, deixar-me-iam utilizar a tenda militar que lá estava para trocar de roupa. Entrei imediatamente.
Aposto que nunca tinham visto provas com abastecimentos assim :)
Fiquei super animado. Troquei de roupa e fiz as tarefas todas programadas para a base de vida no quentinho da tenda. Toda a gente foi impecável, voluntários e militares. Muito simpáticos e prestáveis. No entanto, tinha havido um problema no plano delas. Quando chegaram a Água de Pau o Sommer já tinha saído e parece que estava a ter muitas dificuldades na subida. Não havia uma única estrada cruzada até lá acima, por isso era impossível dar-lhe apoio a meio. Acabou por desistir derrotado por um problema nas costas que lhe bloqueava os movimentos das pernas...

Os quilómetros mais longos. Até ao Pico da Vela.

A subida, ao meu jeito, tinha elevado muito o meu ânimo. A roupa seca não durou muito tempo, mas deixou-me muito confortável. Estava pronto para enfrentar a etapa seguinte.

Saí da tenda e logo levei com uma chapada do vento. Antes que pudesse arrefecer mais fiz-me à descida. E, meu Deus, que descida! Ainda dentro de um manto branco, iniciámos uma aventura num caminho completamente sulcado pela passagem da água. Regos com mais de um metro de profundidade, muito dificil. À medida que íamos descendo entrámos novamente na floresta, com um trilho cada vez mais fechado. Não imaginam o fechado que era! O trilho não teria mais que 30cm de largura, só cabia um pé de cada vez, paredes de verde erguiam-se a toda a nossa volta. 

Quando cheguei ao fim da descida, nesta altura completamente sozinho, parecia que tinha entrado noutra dimensão. Tanto, tanto verde. Espécies de árvores e plantas que nunca tinha visto, por todo o lado se ouvia água a correr furiosa, mas não se via nada além de verde e mais verde. Corria ao lado de uma levada com 1 ou 2km, nem via o céu, só verde e um carreirinho castanho escuro. Quando abria um bocadinho dava para ver que íamos dentro de uma garganta apertadíssima, com encostas cobertas de - adivinhem - verde! Parecia aquelas imagens do Vietname que se vê no Apocalipse Now. Na cota mais baixa, onde ia agora, não estava tão fechado como lá em cima, só uma névoa branca cobria tudo, o que dava um ar ainda mais tropical e fantasmagórico. Espetacular.

Encontrei na net. Era isto mesmo!
Também passámos aqui. Reparem nas encostas verdes.
A subida seguinte levar-nos-ia até ao Pico da Vela, quase nos 900m. Subiríamos a cratera da Lagoa do Fogo, no que devia ser um caminho de tirar o fôlego, mas este foi-se apagando à medida que subíamos. 

Foi-se o verde, voltou o branco.

Voltaram as cristas expostas. Voltou a monotonia do nevoeiro. A tareia mental que é subir e só ver 2 metros à frente. Como numa passadeira de terra, o chão passa por baixo de nós enquanto olhamos para uma parede branca. A subida era dificílima, muito técnica, com muitas descida abruptas no caminho. O tempo ficava cada vez pior, voltou o vento ensurdecedor e com ele a chuva grossa, que desta vez viria para ficar. Quanto mais subia mais agressivo ficava. O carapuço não se aguentava, por isso era baixar a cabeça e cerrar os dentes. Pareceu-me interminável, foi a subida que me custou mais em toda a prova. Demorei uma eternidade neste segmento, parecia que não saía do mesmo sítio!

Parece que a Lagoa do Fogo era assim!
No Pico da Vela estava nova tenda, que só vi quando estava a 2 metros dela. Entrei e refugiei-me, com a companhia apenas de 3 militares. Estava ofegante, tinha sido uma grande tareia. Estava assustado, o vento era inacreditável nas cristas expostas e a chuva era cada vez mais intensa. Dois minutos a olhar para o infinito em silêncio levantei-me e fui à luta.

O Inferno.
O tempo não deu tréguas, não daria até ao fim, mas a descida sim. Deslizei por um estradão até à base daquele primeiro montículo. Foi então que começou o inferno.

Os pastos. Voltaram os pastos. Agora com mais umas horas de chuva recente em cima e depois da passagem de centenas de pessoas das provas de 40 e 15km. Tinha pela frente um pasto verde enorme. 

SCHLOK SCHLOK SCHLOK

Impossível dar um passo sem enterrar o pé todo. Chovia intensamente. Quando pensava que não podia piorar dou de caras com um autentico rio de lama. Acreditem, não estou a exagerar, nunca vi uma coisa assim! Uma estrada com 3 ou 4 metros de largura em que toda ela era uma massa castanha viscosa. Não havia sitio para fugir, fosse por onde fosse enterrávamos os pés até meio da canela. Nunca vi uma coisa assim. Pensei tirar o telemóvel para documentar, mas tenho a certeza que ainda hoje lá estava enterrado. Quando parava um bocadinho sentia o pé a afundar, como se fossem areias movediças. Demorei uma eternidade, não conseguia progredir. 

Finalmente apanhámos um bom trilho para descer que nos levou até à Lagoa do Congro, que espreitava no meio de uma floresta densa. 

Lagoa do Congro do Google.
Depois de tocar na Lagoa, antes do abastecimento ainda tivemos que escalar a cratera, num trilho embrenhado na floresta aqui já coberto de lama. Seguia já muito irritado. Os pés estavam completamente destruídos. A progressão era lentíssima, o terreno estava cada vez mais dificil. Liguei o modo sobrevivência, já não me estava a divertir, mas agora ia lutar até ao fim.

No abastecimento à minha espera estava a Sara, que percebeu imediatamente que estava irritado com aquilo. Sentei-me a comer uma bela bolonhesa, servida pelos inexcedíveis voluntários. Voltei a encontrar aqui o Armando Teixeira, que transformou a minha irritação em vergonha! Além de ser um monstro da corrida é provavelmente o gajo mais porreiro do trail.

A minha versão do menino da lágrima enquanto comia bolonhesa.
Saí do abastecimento às 16:30, faltava uma hora para o pôr do sol, há algum tempo que receava esse momento. Ao longo do dia tive varios problemas com as marcações, perdi-me mesmo algumas vezes. Mal presas, ou mal colocadas, não sei. Estavam fracas. Com a noite o tempo estava a piorar cada vez mais, ia sozinho há horas, era certinho que ia ter problemas. Faltava apenas uma subida, de cerca de 300+, deveria chegar lá acima com a noite a cair.

Assim foi, e com a noite caiu o céu. A chuva era agora muito intensa e grossa. Não conseguia ver mais que 5 metros à frente e para ajudar o meu receio em relação às marcações confirmou-se. De fita a fita tinha que andar de cabeça levantada sempre à procura da próxima. O caminho não era de todo intuitivo, até porque não havia trilho, só rios de lama, mas as marcações não ajudavam nada. Cheguei ao pico e estava pior que nunca! Tive que ultrapassar um estábulo de vacas e perdi-me logo aí. No meio da bosta, lama, vacas e um barulho ensurdecedor da chuva e vento perguntei ao pastor aos gritos para onde era o caminho, o qual ele me indicou. Batalhei contra tudo até me perder novamente e ir em frente mais umas boas centenas de metros. Pufff.

Lá encontrei o Pico e fiz-me imediatamente à descida, assim que viro o monte levo com uma parede de vento que me volta a tirar o capuz da cabeça. A descida é numa encosta num terreno de pasto, um rio de lama e água, impossível pensar noutra coisa além da tarefa de não cair.

Até que, passada uma estrada no fim da encosta, a faltar escassos 1500 metros para o abastecimento,  uma seta encaminha-nos para dentro do bosque. Chegámos ao inferno.

PUUUFFFF

Assim que passo a linha das árvores parecia que o resto do mundo tinha sido abafado. Silencio. Era tão denso que não passava um pingo de chuva, não passava um som. Liguei o frontal no máximo e via milhares e milhares de troncos castanhos, sem fim à vista. Olhei para o chão e não havia caminho, só uma massa viscosa e castanha. Era de noite, mas tinha ficado mais escuro, como se tivéssemos entrado noutro mundo. Incrível. Mas o pior estava ainda por vir. Todo o chão, os 1500 metros de chão que me separavam do abastecimento, era composto por lama, sem trilho aparente. Uma descida íngreme e viscosa de lama no meio de uma densidade de árvores incrível. Caí muitas vezes, agarrei-me a dezenas de troncos. Escorreguei e desesperei. Não progredi, sobrevivi. De fita em fita levantava a cabeça para procura o próximo ponto luminoso. Demorei quase uma hora a fazer aquele troço, quando cheguei estava irritado e pronto a deitar a toalha ao chão. A primeira coisa que perguntei era se o resto da descida era igual. Se fosse, acho que tinha ficado por ali.

Voltámos lá no dia seguinte. Reparem como fica de noite lá dentro.

Aqui dá para ver a densidade dos troncos.
Como sempre, no abastecimento, estava a Sara. Ah, e o Armando e a Diana! Depois de perceber que o percurso já não seria tão mau até ao fim nem penso em comida e meto-me a caminho, só queria acabar aquilo.

Descia a correr num estradão (continuava a conseguir correr bem, não tinha era muitas oportunidades para isso) quando vi 2 ou 3 luzes brancas na minha direcção. Olhei para o lado, uma fita. Eu estava bem, eles perdidos. Juntei-me a eles e iniciámos uns surreais 15 minutos. Quatro pessoas a rodar frontais a 360º, à procura de fitas num descampado (pasto). O mais ridículo é que víamos uma, seguíamos até ela, depois tínhamos que parar novamente e procurar a próxima.

Já perceberam que fiquei um bocado irritado com as marcações. Custa-me deixar este reparo negativo à organização porque, acreditem, não passei por uma única pessoa com má vontade em todo o percurso, antes e depois da prova. Pelo contrário, toda a gente era extremamente prestável e simpática. Mas as marcações, não sei se por desleixo ou por terem voado muitas (acredito que tenha acontecido), estavam francamente más, principalmente à noite. Depois havia outro problema, o refletor, além de ser muito pequeno, refletia muito pouco. Era tipo o interior das embalagens de sumo tetrapak. Nunca levei o track no relógio para uma prova, neste caso teria ajudado muito.

Quando finalmente encontrámos o caminho estávamos junto à Lagoa das Furnas. Faltavam 5km, que seriam percorridos integralmente a contornar a Lagoa numa estrada em calçada.

Cheguei à meta, nas Furnas, chovia torrencialmente, só lá estava a Sara e mais 3 ou 4 pessoas da organização. Ensopado até aos ossos, passei a meta, dei um beijo à Sara, entrei de imediato no carro e fomos para casa. Estava feito. Quase 20 horas depois, São Miguel estava virado.

Foto da Sara do aspecto desolador da meta.
Como já disse por aqui gosto de provas em montanha pura, com subidas e descidas intermináveis. O EPIC não é isso, o EPIC é o que é e o que a ilha deixa. Uma prova com duas boas subidas, muito parte pernas, trilhos técnicos, florestas encantadas, paisagens exóticas e um terreno enlameado muito, muito difícil. Mas houve muito mais neste fim de semana que os 107km da prova. Houve uma ilha, um lugar novo, houve uma aventura completamente inesperada e bem mais difícil que do que pensava, houve lapas e bifes, houve amizade e família. Três dias que nunca vou esquecer e que fizeram valer cada um dos SCHLOK SCHLOK SCHLOK!

O que fica.
Queria só deixar isto aqui.